Temas e Factos seta Segredo dos Segredos

O texto medieval Secreto secretorum, atribuídos arbitrariamente a Aristóteles, entrou na história das origens dos Descobrimentos portugueses por uma porta a vários títulos falsa. Com efeito, sabendo-se da existência de uma tradução portuguesa da obras, que existia entre os volumes da livraria do rei D. Duarte, conjecturou-se que: a) Teria sido o infante D. Henrique o autor da tradução; b) Teria sido o infante e não o rei o verdadeiro interessado pela obra (por isso a teria traduzido); c) A tradução era uma prova da elevada cultura de D. Henrique, que se não podia aferir pelos livros que constam em duas relações terem-lhe pertencido, e que são todos, com uma única excepção (a Crónica [General] de Espanha), das mais vulgares obras de devoção do seu tempo. O livro corria em latim e do latim se fizeram traduções em romance, nomeadamente em castelhano, em catalão e em português; acontece que uma versão catalã é seguramente do século XIV e dela podia ter o livro passado ao português, caso que não seria, aliás, único; esta versão, como a portuguesa, tem a sua origem, segundo se presume, no siríaco, donde se passou ao árabe com, pelo menos, dois degraus intermediários, e daí ao latim, no século XIII; com ela concorre uma segunda tradução latina, feita sobre uma outra escrita em árabe. Se propendemos a crer que a versão portuguesa pode ter sido tirada do catalão, nada há que nos permita admitir ter sido o infante D. Henrique o autor dela, como tantos pretenderam, com fundamento no talhe da letra (que não é, seguramente, a sua) e com uma nota pretensamente henriquina, mas que, afinal, se verifica datar do século XVI. Todavia, mesmo que isto fosse exacto, o teor do Segredo dos Segredos nada tem de científico: é apenas uma compilação de regras de comportamento, por vezes com alusões à astrologia, como tantas outras que eram vulgares nos finais da Idade Média.

Bibliografia:
Pseudo-Aristóteles, Segredo dos Segredos, tradução portuguesa segundo um manuscrito inédito do século XV, com introdução de A. Moreira de Sá, Lisboa, 1960.

Autor: Luís de Albuquerque

Artigo originalmente publicado no Dicionário de História dos Descobrimentos Portugueses, dir. Luís de Albuquerque, e reproduzido por cortesia do Círculo de Leitores



  Enviar a um amigo Enviar a um amigo Imprimir Imprimir