Antropónimos seta Gonçalves O.C., Frei Brás

Único vigário da Mina cujo nome conhecemos ao tempo da jurisdição da Ordem de Cristo, ou seja, anteriormente à criação da diocese do Funchal em 1514, e que aí chegou em 1511. Um documento datado de Lisboa, de 4 de Abril de 1511, referindo-o como vigário que está na cidade da Mina “dias há”, estabelece-lhe por ano 53.500 reis. O mesmo documento refere-se também a João Álvares, clérigo de missa, capelão que "agora há de hir" à Mina estabelecendo-lhe 30.000 reis por ano.

Bibliografia:
ANTT - CC, III-4-68. Publicado em BRÁSIO, Monumenta Missionaria Africana, Africa Ocidental, v.IV, Lisboa, 1954, p.649.

Autor: Fernando Larcher