Temas e Factos seta Incidente de Madre Deus

Nome pelo qual ficou conhecido o incidente ocorrido em Nagasáqui, em 1610, que envolveu André Pessoa, capitão-mor da nau Nossa Senhora da Graça, também conhecida como Madre de Deus, e as autoridades japonesas. As origens do incidente prendem-se com um facto acontecido em Macau, em 1608, quando um junco de Arima Harunobu, dáimio de Arima foi obrigado a invernar na cidade. Juntamente com a tripulação de um outro navio nipónico que também se encontrava no porto, os marinheiros japoneses provocaram alguns desacatos na cidade. As autoridades municipais apelaram ao bom senso mas os incidentes acabaram por tomar proporções maiores e André Pessoa, enquanto capitão-mor, foi obrigado a intervir. Cerca de quarenta japoneses morreram no confronto, enquanto cinquenta foram aprisionados, sendo obrigados a assinar um documento onde reconheciam a sua culpa. Quando chegou ao Japão, em Julho de 1609, Pessoa mostrou a declaração ao bugyo de Nagasáqui, que o aconselhou a não referir o assunto a Tokugawa Ieyasu, aquando da visita anual. A delegação do capitão-mor, chefiada por Mateus Leitão, foi bem recebida pelo bakufu e o assunto não foi mencionado. A situação complicou-se depois com a chegada dos sobreviventes.; ao tomar conhecimento do ocorrido em Macau, o dáimio de Arima expôs o caso a Ieyasu. Agastado com o facto de não ter sido informado pelos Portugueses, ordenou que o próprio Pessoa fosse até à Corte justificar-se. Pessoa declinou o convite, o que contribuiu para um agravamento da situação. Arima Harunobu recebeu então ordem para resolver o assunto e partiu para Nagasáqui. Já na cidade, tentou vários esquemas para atrair o capitão mas este recusou-se a sair da embarcação. O dáimio enviou então cerca de mil e duzentos homens para diversas embarcações, cercando o navio. Pessoa resistiu às investidas durante três dias mas a 6 de Janeiro, durante os combates, uma bala espoletou um incêndio na Nossa Senhora da Graça. O fogo alastrou rapidamente e Pessoa, vendo-se sem salvação, tratou de o apressar, incendiando o paiol do navio. Com uma enorme explosão, que fez tremer o casario de Nagasáqui e se fez ouvir em locais distantes da cidade, o navio partiu-se, afundando-se nas águas da baía.

Bibliografia:
BOXER, Charles, “The Affair of the “Madre de Deus” A chapter in the History of the Portuguese in Japan”, Separata de Transactions and Proceedings of the Japan Society of London, vol. 26, 1929, pp. 4-89. IDEMAntes quebrar que torcer ou o Pundonor português em Nagasáqui, 3-6 de Janeiro de 1610, Macau, 1950. COOPER, Michael, Rodrigues, o intérprete. Um Jesuíta na China e no Japão, Lisboa, Quetzal Editores, 2003 (2ª ed.).

Autor: Helena Rodrigues