Temas e Factos seta Quadrante

Instrumento para a determinação de alturas de astros e de objectos terrestres, conhecidos desde a Idade Média; mas o quadrante medieval, tal como vem descrito em alguns textos, incluía escalas altimétricas, para resolver alguns problemas de distancias entre pontos inacessíveis de terrenos e outras operações semelhantes, e ainda, a partir do inicio do século XIV, também um cursor que podia ser de tipo que permitisse, nomeadamente, calcular a declinação solar em dado dia. Este tipo de quadrante encontra-se descrito no tratado que ao instrumento dedicou Roberto Anglès e a escala altimétrica ainda aparece nos desenhos que do quadrante nos dá o cartógrafo Diogo Ribeiro em vários dos seus planisférios. O quadrante náutico dispensava estes acessórios, sendo até surpreendente que um cartógrafo ligado à actividade náutica, ao iniciar-se o segundo quartel do século XVI ainda insistisse em representar um modelo certamente ultrapassado. Para os fins que os pilotos dele se serviam, bastava com efeito, moldar o quadrante em metal, ou, preferentemente, em madeira, montar-lhes as duas pínulas de pontaria e o fio-de-prumo que, suspenso do vértice do ângulo recto, havia de marcar na graduação do quarto de círculo periférico o ângulo de altura ou de distância zenital da linha de pontaria, consoante o sentido crescente da graduação. Diogo Gomes, reportando-se à viagem que fez por volta de 1462, já alude à utilização de um quadrante em náutica; o velho navegador, que ditava as suas memórias a Martim Behaim, afirma ter observado com o quadrante a «altura do pólo árctico» (certamente a da Estrela Polar, uma das suas passagens meridianas), marcando o lugar de observação na tábua do instrumento. Este modo de proceder constituiu a primeira fase da navegação astronómica, baseada numa declinação de alturas; foi também dessa prática que se passou em náutica a determinar a latitude do lugar ocupado pelo observador, primeiro passo dado no sentido da náutica moderna. O quadrante náutico continuou a ser usado até ao século XVIII, tendo os seus construtores do final de Quinhentos e durante os anos de Seiscentos procurado introduzir-lhe aperfeiçoamentos. Citarei aqui apenas a ideia do padre Francisco da Costa, que foi a de dotar o quadrante de uma escala composta, no género do «nónio» descrito por Pedro Nunes em De Crepusculis; o professor jesuíta do Colégio de Santo Antão chamava ao instrumento assim aperfeiçoado o «quadrante dos quadrantes».

Bibliografia:
Libros del Saber de Astronomia, vol. III¸ Libro del Quadrante, Madrid, 1865; TANNERY, Jules, Le Traité du Quadrant de Maître Robert Anglès, Paris, 1897; VALLICROSA, J. M. Millás, Estudios sobre Historia de la Ciencia Española, Barcelona, 1949.

Autor: Luís de Albuquerque

Artigo originalmente publicado no Dicionário de História dos Descobrimentos Portugueses, dir. Luís de Albuquerque, e reproduzido por cortesia do Círculo de Leitores



  Enviar a um amigo Enviar a um amigo Imprimir Imprimir
 
Página Inicial Idioma Alterar Idioma: Português Change Language: English Adicionar aos Favoritos Contactos Ajuda

Pesquisa Livre
Pesquisa Alfabética
seta
Pesquisa Temática seta
Auxiliares de Trabalho seta
 
 
 
  Resultados da pesquisa Resultados da pesquisa
Palavras Associadas Palavras Associadas
Histórico Histórico
 
Ficha Técnica | Concebido por: CITI | POS_Conhecimento | FEDER | CHAQM - EVE | Todos os direitos reservados-CHAM-FCSH-UNL-2005